Carlos Marighella segundo Jorge Amado

Carlos Marighella

Seu nome ressoou,pela primeira vez,no brilho da inteligência invulgar e na graça de moleque nascido nas ruas da Bahia,quando,estudante de Engenharia,redigiu em versos uma prova de matemática.

Comentou-se na cidade a inspiração e a verve do acadêmico. Talento e informalidade marcaram para sempre seu perfil belo e másculo,sua face pura.

Líder estudantil,ainda adolescente foi tomado preso,cumpriu dez anos de prisão,entre as grades passou a juventude. Não perdeu o ânimo nem o riso,não se fez amargo. Sabia rir como pouca gente no mundo soube fazê-lo,riso franco,sadio,confiante.

Fraterno amigo,desde os dias de primeira juventude,na Bahia;depois,num longo quotidiano de esperança e desespero,no comício,no jornal,debruçado sobre os livros e sobre a vida,em meio ao povo ou nas bancadas da Câmara dos Deputados. Na chata solenidade legislativa,repontada no deputado ativo e responsável o espírito de moleque baiano,do estudante da Escola Politécnica. Subia a tribuna,punha em pânico os parlamentares. Juntos escrevemos vários discursos,lidos por outros. Num deles,enorme,passamos em revista todos os problemas do país. Pronunciado com extrema dignidade por Claudino José da Silva,único deputado negro da Assembléia Constituinte de 1946,durou quatro horas. As palavras eram pedras e raios;o tempo passava,o discurso prosseguia,eterno. Mesmo os mais reacionários ouviram em silêncio,não tiveram coragem de abandonar a sala.

Dentro dele a ternura a ira. Conhecia de perto a miséria e a opressão mas conhecia também a força e a capacidade de resistência do povo. De quando em vez releio seus poemas,sabiam que ele foi poeta? Ternura e ira em seus poemas simples,claros,brasileiros. Sendo homem de ação mais que um teórico,a poesia marcou cada instante de sua vida. Tudo nele era sincero,digno e puro.

Se errou,o fez na busca de acertar. Em certa tribuna ilegal eu o vi chorar,como um menino órfão,quando o ídolo ruiu,rotos os pés de barro. Eu estava vazio por dentro,pois soubera antes e lhe contara;não acreditou. Ao ter a prova,ficou siderado,durante certo tempo perdeu a graça e o riso;no meio do povo os recuperou. Manteve até o fim o bom humor e a pureza;amadureceu sem deixar de ser o estudante adolescente:mestiço de sangue negro e sangue italiano,como Dorival Caymmi,mistura de primeira.

Morreu numa emboscada. Deixou mulher,irmãos e filho,deixou inúmeros amigos,um povo a quem amou desesperadamente e a todos legou uma ação de invencível juventude,de inabalável confiança na vida e no humanismo. Retiro da maldição e do silêncio e aqui inscrevo seu nome de baiano:Carlos Marighella.

(Bahia de Todos os Santos–27ª. Edição–1977–Jorge Amado)

[Círculo Palmarino]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s