Obama assina legislação de Estado policial

World Socialist Web Site – [Patrick Martin, tradução de Diário Liberdade]

3 de janeiro de 2012. O presidente Barack Obama assinou o National Defense Authorization Act – NDAA (Ato de Autorização de Defesa Nacional) como lei na véspera do Ano Novo. O projeto prevê um maciço de 662 bilhões de dólares para a máquina de guerra dos Estados Unidos e faz incursões sem precedentes sobre os direitos democráticos, que autoriza os militares dos EUA a prender indivíduos em qualquer lugar do mundo e mantê-los em um centro de detenção militar por tempo indefinido, sem julgamento ou qualquer outro recurso legal.

Democratas e republicanos do Congresso ratificaram a NDAA em uma série de votos da Câmara e do Senado em novembro e dezembro que derrotou quase todos os esforços para estabelecer limites ao poder presidencial para deter e prender sem julgamento ou acusação. Como a senadora republicana Lindsey Graham enfatizou durante o debate parlamentar, a legislação define o mundo inteiro para fazer parte do campo de batalha contra Al Qaeda, incluindo o território dos Estados Unidos em si, fazendo com que cada ser humano no planeta, incluindo cada cidadão norte-americano, um prisioneiro potencial das forças armadas americanas.

O NDAA efetivamente revoga o mais antigo direito democrático, o habeas corpus, que proíbe prisões arbitrárias, exigindo que o governo apresente evidência a um juiz ou tribunal para justificar a tomada de uma pessoa em custódia. Este direito foi firmado na Inglaterra durante a Idade Média e, finalmente, estabelecida e codificada no curso da Revolução Inglesa no século XVII, a qual quebrou o poder arbitrário da monarquia e estabeleceu a supremacia do parlamento.

Sob a nova lei, o presidente dos Estados Unidos pode designar qualquer indivíduo, seja um cidadão americano, estrangeiro residente ou cidadão de qualquer outro país, a serem presos e detidos por toda vida, pelos militares dos EUA. A lei define “uma pessoa oculta”, nos seguintes termos: “Uma pessoa que era uma parte ou substancialmente apoiava al-Qaeda, o Talibã, ou forças associadas que estão envolvidas em hostilidades contra os Estados Unidos ou seus parceiros de coalizão, incluindo qualquer pessoa que cometeu um ato beligerante ou apoiou diretamente tais hostilidades em ajuda de tais forças inimigas.”

Isto vai muito além de terroristas ligados aos atentados de 11-S, o suposto alvo das administrações Bush e Obama, a “guerra ao terror”, para incluir qualquer pessoa definida pelo presidente como “envolvido em hostilidades contra os Estados Unidos ou seus parceiros de coalizão”. Isto poderia incluir separatistas curdos na Turquia (a OTAN, aliada dos EUA), os manifestantes palestinos em Israel, da Cisjordânia ou de Gaza, e qualquer um envolvido na resistência ao andamento das guerras dos EUA no Afeganistão, Paquistão, Iêmen e na Somália, ou quaisquer futuras guerras iniciadas por Obama ou seus sucessores.

Isto poderia incluir os jovens na praça Tahrir que lutam contra a ditadura militar egípcia (o segundo maior receptor de ajuda militar dos EUA e um também um aliado-chave), os trabalhadores em greve contra os governos da Grécia, Espanha ou Itália (todos aliados da OTAN), ou aqueles que se opõem ao estacionamento de forças militares dos EUA em qualquer lugar do mundo, incluindo a mais recente implantação de Obama de 2.500 fuzileiros navais norte americanos na Austrália.

Isto poderia muito bem incluir opositores internos de ação militar dos EUA, incluindo os opositores da ação repressiva do aparelho de inteligência militar em casa. Houve repetidas tentativas por porta-vozes da direita política a grupos antiguerra e os manifestantes do Occupy Wall Street como aliados de terroristas e, portanto, alvos potenciais para prisão militar.

Primeiro sob o governo Bush e, agora sob Obama, o governo dos EUA tem avançado, com a sanção integral dos tribunais federais, uma leitura extremamente ampla do que constitui “apoio material” para incluir qualquer pessoa que se engaje na atividade política que é de alguma forma alinhada com as ações de uma suposta organização “terrorista”. Em vários casos, o governo dos EUA ainda trouxe “material de apoio”, processos contra ativistas de direitos humanos que têm aconselhado movimentos nacionalistas lutando contra governos apoiados pelos EUA sobre a forma de mudança de guerrilha para a política eleitoral.

A American Civil Liberties Union denunciou a assinatura de Obama da legislação. Obama “será para sempre conhecido como o presidente que assinou a detenção indefinida sem acusações nem julgamento transformando-a em lei”, disse o Diretor Executivo ACLU, Anthony Romero, em um comunicado. “Qualquer esperança de que a administração Obama possa reverter os excessos constitucionais de George W. Bush na guerra contra o terror foi extinto hoje”, acrescentou.

Obama procurou esconder as implicações desse ataque maciço aos direitos democráticos, alegando opor-se às disposições aplicáveis da lei mesmo quando ele estava assinando-os. O comunicado redigido por uma doninha e divulgado pela Casa Branca, apenas ressalta a duplicidade da campanha de reeleição de Obama, em que o presidente democrata buscará a apelar aos jovens, minorias e sentimento antiguerra popular, enquanto em exercício promove políticas ainda mais militaristas e antidemocráticas que as de Bush, republicano.

Na declaração de assinatura, Obama alega ter “sérias reservas com certas disposições que regulam a detenção, interrogatório e julgamento de suspeitos de terrorismo”. Continua: “Eu quero esclarecer que a minha administração não vai autorizar a detenção militar indefinida sem julgamento de cidadãos norte-americanos. De fato, creio que isso iria romper com as nossas tradições mais importantes e nossos valores como uma nação”.

A linguagem é cuidadosamente trabalhada. Obama admite que a NDAA representa um repúdio das tradições democráticas associada com a Revolução Americana e a Guerra Civil. Ele faz uma promessa extremamente limitada, nenhuma detenção militar sem julgamento de um cidadão norte americano – o que não vincula qualquer sucessor e que ele pode quebrar tão facilmente como ele quebrou sua promessa de fechar o campo de concentração de Guantanamo Bay.

A promessa é fácil de fazer, uma vez que mesmo a administração Bush abandonou sua tentativa solitária de realizar “detenção militar indefinida sem julgamento dos cidadãos americanos”, no caso de Jose Padilla, entregá-lo aos tribunais federais, em vez de riscar uma decisão da Suprema Corte sobre o assunto.

Mas, ao assinar a lei, Obama afirmou seu direito de realizar a detenção indefinida de um cidadão norte-americano no futuro, e, portanto, o direito de qualquer futuro presidente a fazê-lo. Isso equivale a dar uma luz verde para a revogação do habeas corpus, com as dimensões da violação dos direitos democráticos dependendo apenas do capricho arbitrário do poder executivo.

Ainda mais preocupante, Obama já afirmou um poder ainda mais drástico – o “direito” para assassinar qualquer cidadão norte-americano designado pelo presidente como um “combatente inimigo”, sem julgamento ou acusação. A Casa Branca autorizou o lançamento de mísseis no assassinato de Anwar al-Awlaki quatro meses atrás, alegando que o pregador islâmico nascido nos EUA foi um líder da Al Qaeda na Península Árabe. Algumas semanas mais tarde, a CIA assassinou o filho Awlaki de 16 anos de idade, também um cidadão dos EUA, com a mesma arma.

Grande parte da declaração da Casa Branca criticou as disposições da assinatura do NDAA de detenção como demasiado restritiva do Poder Executivo, essencialmente declarando que Obama queria a flexibilidade para decidir sobre instalações de detenção militar ou civil e processos judiciais, numa base caso a caso. Um assessor, falando à imprensa no Havaí, onde Obama está de férias, disse que o presidente seria “garantir que nenhuma destas disposições do Congresso impeça a capacidade de aplicação de combate ao terrorismo e do direito e profissionais de militares que estão mantendo este país seguro”.

O comunicado da Casa Branca criticou especificamente as “restrições injustificadas à autoridade do Poder Executivo de transferir os detentos para um país estrangeiro”. A administração Obama tem continuado a prática de “rendição extraordinária”, na qual os indivíduos são apreendidos pelos militares dos EUA ou serviços de inteligência no exterior e transferidos para países terceiros para a tortura e o interrogatório.

Obama também se opôs a qualquer flexibilização na limitação dos militares norte-americanos na transferência de prisioneiros no Afeganistão para a custódia do governo afegão, outro caso em que o interrogatório de prisioneiros e tortura foram “terceirizados”.

Há uma ligação intrínseca entre o principal objetivo do NDDA – para autorizar e financiar as operações do Pentágono para o ano fiscal de 2012 – e as seções de detenção militar de prisioneiros, dentro e fora dos Estados Unidos. A legislação inclui novas sanções dos EUA contra o Irã, destinadas a sufocar as exportações de petróleo do país, um ato de guerra econômica, enquanto promove o financiamento das operações em todo o mundo do imperialismo norte-americano. Isso demonstra que o militarismo e a guerra agressiva no exterior andam de mãos dadas com o autoritarismo e ditadura em casa.

Tradução de Pamela Penha para Diário Liberdade

Anúncios

Uma resposta para “Obama assina legislação de Estado policial

  1. É assustador! Eu já tinha lido sobre a detenção extraordinária, inclusive tem um filme sobre o assunto feito nos EEUU- O Suspeito.
    E quem pode assegurar que esses senhores do norte não estejam por aí…ao nosso lado…espreitando…nas redes sociais…sonhando e escavando atos ” terroristas” , pois os verdadeiros atos terroristas são eles mesmos que praticam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s