Decisão do Tribunal da Onu sobre vítimas de crimes de guerra nazis: “um retrocesso aos direitos”

[ADITAL]

A decisão do órgão judicial supremo da ONU que resolve que a Itália se equivocou ao permitir que apreendessem ações através de seus tribunais para pedir indenizações para a Alemanha pelos crimes cometidos durante a fase nazista é uma retrocesso aos direitos humanos. Foi o que afirmou hoje (06.02) a Anistia Internacional.
A decisão de hoje da Corte Interamericana da Justiça (CIJ) confirma que a Alemanha goza de imunidade legal frente a demandas de reparações em tribunais estrangeiros por parte de vítimas de crimes de guerra nazis, o que supõe uma violação de seus direitos humanos.
“É uma decisão incrível. Hoje a CIJ deu um grande passo para trás em matéria de direitos humanos e converteu o direito à indenização por crimes de guerra em um direito isento de reparações”, expressou Widney Brown, diretora geral de Direito Internacional e Política da Anistia Internacional.

“Esta resolução faz caso omisso da Convenção de Haya, que estipula que as vítimas de crimes de guerra têm direito a empreender ações legais contra o Estado responsável para obter reparações”, afirmou.

“O que resulta especialmente preocupante é que outros tribunais nacionais possam aplicar esta mesma resolução, apesar de que a decisão da CIJ neste caso unicamente é vinculante para Alemanha e Itália”.

A CIJ disse que o Tribunal Supremo da Itália havia violado em 2008 a soberania da Alemanha ao ditar que um cidadão civil italiano, Luigi Ferrini, teria direito a receber reparações por sua expulsão a Alemanha em 1944 para realizar trabalhos forçados na indústria armamentista.
Ainda que a Itália tenha sido um dos países aliados da Alemanha na Segunda Guerra Mundial, muitos cidadãos italianos tiveram a mesma sorte que Ferrini.

Desde 2004, nos tribunais italianos empreenderam numerosos processos contra a Alemanha por parte de prisioneiros de guerra que foram utilizados como trabalhadores forçados e por parte de familiares de vítimas de massacres-crimes perpetrados pelas forças alemãs durante os últimos meses da Segunda Guerra Mundial.

Desde a década de 1950, Alemanha pagou dezenas de bilhões de dólares em reparações, e em 2008 apelou à CIJ depois que o Tribunal Supremo da Itália apoiou a reclamação indenizatória de Luigi Ferrini. As autoridades alemãs argumentaram que se a CIJ respaldasse a Itália, isto poderia abrir as portas para que pessoas de todo o mundo apresentassem reclamações de indenização.
O Tribunal da Itália apontou com “surpresa e pesar” que Alemanha exclui dos planos atuais de reparação os cidadãos italianos presos pelas forças alemãs durante a guerra.
A CIJ afirmou que a Alemanha é responsável pelos crimes de guerra cometidos por suas forças armadas durante a Segunda Guerra Mundial na Itália e Grécia, e admitiu que esta decisão pode impedir que as vítimas recebam indenizações.
No entanto, foi dito que as reclamações “poderiam submeter-se a novas negações” entre Alemanha e Itália “com o fim de resolver o conflito”.

“A insinuação de que ‘novas negociações’ solucionarão o conflito representa um desprezo aos direitos humanos que estão em jogo”, manifestou Widney Brown. “Levam mais de 60 anos sem oferecer reparações às vítimas”

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s