COIAB: Nota de Apoio aos povos indígenas Tenharin e Parintintin, dos municípios de Humaitá, Apuí e Manicoré

ImageA Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), principal entidade de articulação dos Povos Indígenas da Amazônia Brasileira, vem a público manifestar seu apoio aos povos indígenas Tenharin e Parintintin dos municípios de Humaitá, Apuí e Manicoré face aos recentes acontecimentos de incitação a violência física, preconceitos de toda ordem e de restrição aos direitos de ir e vir destes cidadãos indígenas brasileiros. A COIAB repudia publicamente toda e qualquer manifestação indígena ou não indígena que venha a diminuir ou afetar os direitos de qualquer cidadão brasileiro em ter sua integridade física ameaçada por situações que poderiam ter sido evitados pelo Poder Público em geral.

O não esclarecimento em tempo devido e de forma adequada ao povo Tenharim que ainda procura uma resposta digna e oficial sobre o contexto da morte do cacique Ivan Tenharín, ocorrida no dia 2 de dezembro, entre o distrito de Santo Antônio do Matupi e a aldeia Campinhu vem a reforçar mais ainda o clima de insegurança que estes povos indígenas sofrem há anos nesta região.

Por conta dos protestos e do clima de terror que também chegaram a Apuí, provocados por vários moradores nos dias 24 e 25 de dezembro de 2013 e que culminaram com o “incêndio provocado” em prédios públicos e embarcações, a COIAB vem solicitar da FUNAI e de órgãos como o Ministério Público Federal, Ministério da Justiça e a Secretaria Geral da Presidência da República, providências no sentido de que seja evitada uma nova tragédia, visto que, segundo lideranças indígenas, as aldeias já começaram a ser saqueadas e incendiadas por manifestantes ligados e bancados por madeireiros e ao esquema de grilagem existente no distrito de Santo Antônio do Matupi (Manicoré) e de Humaitá, acompanhados da policia militar local.

A situação é preocupante, pois afeta diretamente as famílias indígenas que vivem na localidade e que precisam ser resguardadas de qualquer ato de violência e sua integridade física. A COIAB não compactua com as cenas de terrorismo registradas, que ganharam manchete negativa em todo o mundo, como agressão aos direitos humanos e destruição do patrimônio público.

Diante de todos esses fatos, a COIAB também manifesta a preocupação de como a situação ficará após as medidas emergenciais de segurança que já estão sendo tomadas e, em especial como os órgãos públicos e poder público local tratarão em longo prazo os graves problemas de conflito agrário e madeireiro na região que são os reais causadores de todo o conflito existente atualmente.

Manaus, 27 de dezembro de 2013.

COORDENAÇÃO DAS ORGANIZAÇÕES INDÍGENAS DA AMAZÔNIA BRASILEIRA

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s