Líder de partido antigay é gay!

Por Altamiro Borges [Blog do Miro]

orgulho-gayJair Bolsonaro, Silas Malafaia, Marco Feliciano e outros homofóbicos nativos perderam dois importantes aliados da sua causa de ódio no cenário internacional. Na sexta-feira (12), a revista francesa “Closer” revelou que Florian Philippot, um dos vice-presidentes do partido neonazista Frente Nacional (FN), que se opõe ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, é homossexual. Já no final de novembro, o estadunidense John Smid, que militou por 18 anos numa organização que pregava a “cura-gay”, oficializou a sua união com o parceiro Larry McQueen. Os dois casos talvez pudessem ajudar os homofóbicos de plantão no Brasil, sempre tão agressivos e intolerantes, a repensar as suas práticas…

No caso do dirigente da FN, ainda há controvérsias. O seu chefe do gabinete, Joffeey Bollée, afirmou que o político “provavelmente” processará a revista “por violação da vida privada”. Já Marine le Pen, líder da seita fascista, disse que a matéria é um “atentado contra a liberdade individual”. A “Closer” publicou uma reportagem especial de quatro páginas com fotos de Florian Philippot em Viena (Áustria) acompanhado de seu suposto companheiro, identificado como “um jornalista de televisão”. Em janeiro passado, a mesma revista publicou fotos que comprovariam a relação do presidente francês, François Hollande, com a atriz Julie Gayet, o que provocou sua separação da então primeira-dama, Valérie Trierweiler.

Já no caso do estadunidense, o próprio John Smid anunciou a sua união com o parceiro Larry McQueen. Durante quase 20 anos, ele militou em uma organização fascistóide que considerava a homossexualidade um pecado, incentivava as pessoas a rezarem para que não sentissem atração por outras do mesmo sexo e acreditava que a orientação sexual de alguém poderia mudar. Entre 1990 e 2008, ele foi diretor-executivo do grupo “Love in Action”, que atuava na difusão da chamada “cura gay”. Além de assumir sua homossexualidade e de celebrar sua união homoafetiva, John Smid também fundou a organização Grace Rivers para os gays cristãos.

Em recente entrevista, John Smid pediu desculpas aos que acreditaram na sua pregação da “cura gay” e explicou os motivos das suas escolhas. “Eu tinha fé de que algo iria acontecer, mas isso nunca aconteceu. Agora, na minha idade, já não tenho muitos anos restantes, não posso viver mais assim pelo resto da minha vida. Então pensei que não, não estou disposto a continuar empurrando algo que não vai ocorrer”. Bolsonaro, Feliciano, Malafaia e outros homofóbicos hidrófobos também deveriam repensar os seus dogmas. Ainda há tempo!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s